segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

Chuviscos. . .

Não, você não sabe como tentei me interessar pelo desinteressantíssimo. Que seja doce, eu pensei!
Quando bateu à porta, nem me dei ao trabalho de abrir, reconheci as batidas de longe. Apenas disse, pra não deixá-lo plantado ali o dia todo, atrapalhando a passagem:
- Desculpe, mas hoje não estou afim!
Ele insistiu em permanecer.
- Hoje realmente não dá. Vá embora, procure êxito em outra casa! Só não te indico uma porque seria antiético de minha parte. Melhor, volte pra sua casa e assista a chuva da janela.
Deu meia volta e saiu.
O ar ficou muito mais leve. O bom humor me fazia até sentir um pouco de pena dele. Infeliz!
Desliguei a TV e coloquei play no barulho da chuva. Encontrei coisas pra fazer em cada degrau da escada. Sim! A TV continuava desligada. Não era dia pra mau humor!

Os respingos da chuva na janela assustaram-no, e ele ficou na sala de tevê assistindo comerciais e ‘chuviscos’ das emissoras fora do ar (...)(...)(...)

E olha, da próxima vez que vier de saída prevista e breve, apague a luz!

3 comentários:

Lays disse...

por hora, posso dizer que siim, eu entendi! até fiquei meio surpresa...
tomara que agora seja fácil se desenteressar por coisas desinteressantes.
um brinde ao bom humor e aos 'chuviscos' !! =]

(ahh, adorei a sua subjetividade.) ;D

Patricia disse...

essa jey naum eh facil naum!!
adoro os textos subjetivos, diretos da jey!
eh uma mistura incrivel!!
qndo eu crescer vvo escrever igual vc!
aaaaaaaahh como eu qria me interessar por coisas interessantes!!hahaha

grande bjo neenemm

Kakau Tendrás disse...

Não apague a Luz não.
O escuro é cruel demais.