sábado, 11 de outubro de 2008

Um ano de Sim, crônicas!

É com satisfação que venho aqui hoje dizer que o nosso Blog, completa hoje: 1 ano!
E bom, como cada uma tem uma maneira diferente de ver esse um ano de blog, eu deixo aqui a opinião das mesmas. Mas antes de tudo queria agradecer todos vocês que entram sempre aqui. Comentando ou não. Pois é sempre bom saber que tem gente que entra só pra espiar e se instala devagar. Obrigada mesmo.

Segue os posts:

Não é o caso de fazer apologia ao ócio e à inércia burra. Tampouco discernir em quais momentos fazer nada é o melhor a se fazer. Não é o caso de deixar de se importar. É pelo contrário, se importar e utilizar o tempo que for preciso para isso.





Não é o caso de não fazer investimentos. É fazê-los calculando os riscos: considerando, preferencialmente, os mais prováveis e reais. Vale otimismo (comedido). Vale optar por si. Não é o caso de assistir a vida passar e esquecer de acontecer com ela. Mesmo debruçado na janela vendo o trem que passa, você vai passando com ele. Você é o próprio acontecimento, mesmo que não reconheça.





Não é o caso de decidir sobre perdas e ganhos. É ter certeza de que um sempre vem acompanhado do outro. É saber usar isso a seu favor. O caso é que prefiro o otimismo pretensioso de acreditar que ainda tenho o dia de amanhã e os que se seguem, a ter que viver tudo o que me é permitido em apenas um dia. Não é essa a euforia que eu quero pra mim. A euforia vive na ansiedade e se isso for constante, prefiro matá-la de tédio.





O caso é ouvir e acreditar menos no que dizem, e ouvir mais o que se cala. O caso é que fazer nada ou pouco é ainda assim, fazer alguma coisa. Não me venda receitas de felicidade instantânea. Não me ensine a não perder tempo. Sempre ganha alguma coisa quem perde. Sempre perde alguma coisa quem ganha. E eu ganho a mim até mesmo ao perder. Não caio mais nessa conversa fiada. Aliás, gosto mesmo é de perder algum tempo me ganhando. O tempo já é corrido. Adianto o relógio só se for pra curtir a sensação de ter mais tempo. Não me apresse. Não se apresse. Sábado de manhã, sol lá fora – me deixa quietinha! Passeata a favor da paz e eu querendo apenas a paz da minha grama: Favor não pisar!





Pra mim, viver como se fosse a última vez tem cara de foto montada com risinho faceiro. De sorriso que logo se desfaz pela pressa de acontecer de novo e fica sempre pela metade. Não quero a ânsia da última vez. Se me foi dada licença para viver, que seja ao meu modo. Escolho a tranqüilidade do que se (re)inicia.





Ao SimCrônicas, vida longa!



Por Jey Lima.







Por Kakau Tendrás.

6 comentários:

Kakau Tendrás disse...

Tô muita estranha no video. =O

Kakau Tendrás disse...

MUITO*****

Sofi disse...

Parabéeeeeeeeens!!
Tava vasculhando aqui no arquivo! e ameeei os textos *-*
Gosto do jeito com que escreve..


Tudo de bom, ao sim cronicas!
Beijooes

diinha disse...

Ahhhh.. tipo assim. 1 ANOOO!! caaaaraca..
paarabens a vcs duuuas (e a paola q contribuiu no começoo..rs). Seei do potencial q vcs tem.. AMOOOOO viir aqui e coomentar no bloog., achoo q esse bloog deviia durar mais um trintaa anoos..rs

Jeeyziinhaaa. vc escreve beem deemaiis.. vcc tiinha q ser escriiitoraa. paraabens viiu liindezaaa.. adoooooooro muiiito vccc.

kakaaaau.. eeeeeeeeeeeeeee. cê éé deeeemaiiis. eu amuu muiiiitoo.. amoo qdo vc escrevee. vc saabe, né.. textoos sempre cheioos de amooor e aleegriia..

\o/ paaaaarabens meeniinaaaaas..
:*****

Nathana disse...

Parabéns, Simcronicas!

Gabriela Souza Gomes disse...

Obrigada por reproduzirem a minha crônica. Fico feliz!