domingo, 4 de novembro de 2007

Waldomiro - Final

*Continuando*


http://simcronicas.blogspot.com/2007_10_01_archive.html (Capítulos anteriores)


Desligou o telefone. E voltou a dormir. Mentira. Apenas se deitou, porque dormir, dali até o sol nascer seria uma tarefa digna de James Bond, e bom.. Ele não era o James, era o Waldomiro.O fato é que se revirou na cama, embalado pelos pensamentos da noticia do casamento. Afinal, se aquela mulher tem que se casar um dia, é com ele, oras. Ele que tem que ser o noivo. Ninguém vai amar aquela mulher como ele, é um fato. Fato incossumado, porque afinal, quem vai casar não é ele. Eis que a noite se foi. Amanheceu, e o Waldomiro se levantou. Caminhou até o banheiro. Olhou no espelho e se deparou com a imagem mais deprimente do século, um homem com a barba por fazer, com olheiras, todo amassado e o cabelo enorme, uma bagunça.. Tava no seu pior estado. Fruto de uma madrugada mal dormida? Quem dera.. Fruto de amor mal resolvido, isso sim.O Waldomiro podia ter todos os defeitos do mundo, mas burro ele não era.. Ele sabia que enquanto ele não resolvesse aquela relação, ele não ia viver bem. Mas a dúvida dele, durante todo aquele ano que se passou era se a relação tava mal resolvida para os dois, ou só pra ele. E bom, a ligação da madrugada, acabou por confirmar, que aquilo tava mal resolvido por ambas as partes. Então o que fazer? Ela vai casar, e o tempo tá correndo, ele pensava. Procurar a Flávia? Mesmo depois de tudo que ela me fez? - questionava. Pensou o dia todo. E decidiu, que ia procurar a Flávia e ponto.E de fato procurou. Era manhã de sábado.. Caminhou até o edificio da moça.. E bateu lá:
_ Oi? Flávia?
_ Oi!
_ Waldomiro. Posso subir?
_ ...
_ Posso?
_ Ó! Po.. Er.. Pode.
*Pééénnn*

E subiu ao apartamento da moça. Entrou no elevador.. E quando abriu a porta do elevador, se deparou com ela. De pijama ainda, com aqueles olhos amendoados, tão brilhantes.. Linda, mesmo com cara de sono..Caminhou até ela, não falou nada.. Abraçou aquela menina de pijama, e sussurrou:
_ Eu tava morrendo de saudade de você. Morrendo.
Ela não reagiu.
E no abraço frio, ele percebeu.. Que aquilo não era o que um dia foi.
Caminhou até o elevador. Foi ao último andar, de lá saltou.
Morreu. Na hora. Morreu porque diante daquela menina, a vida dele era só um detalhe.
E um detalhe que a menina de olhos amendoados, não percebia mais. Se é que um dia percebeu.


Fim.

5 comentários:

Dinha disse...

OOh meu Deeeus.
:|
Eu queeria ter ido lá ee ter ajudado a ele pular. Eu o empurrava.
uashahsauhas..
Adoooorei aa historiia.
Devia ate contiinuaar.
E eu acho que ele só não era burro, mais sim juumento, cabeça dura e derivados..rs
Tudo isso por causa do orgulho idiotaa do primeiro capitulo.
=/

Perfeiita a sua historinha, minha POLVA..rs

Teeeee amoo.
Beeijim.s2'

Patricia disse...

ahh veeeyy nem acompanheiii essa historiaaa.. uaii kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
mais to dxando aih o recado q c pediu soph pra provar q eu vim aki
kkkkkkkkkk
bjaaaoo

Paola disse...

kakauuu..
que droga, ainda num li.
prometo que leio tá?
mas eu te amo.!
te amo muito.
beijo.

__jey disse...

meu deus!
o que era pra ser um romance, acabou num conto de mistério!
hahahahaha
mas a que ponto chegou o amor, não? rs.

já dizia o poeta:
'tããão bom morrer de amores, e continuar vivendo !'.
hahahahahaha

beijo keikeu. (L)
ps.:deve um romance! =)

Kakau Tendrás disse...
Este comentário foi removido pelo autor.